Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Na sua Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2021 (que acontece no dia 16 de maio) o Santo Padre elogia a coragem dos jornalistas na denúncia de guerras e perseguições. Assinala a importância da comunicação digital e sublinha o valor da experiência pessoal para noticiar a realidade.

O Papa Francisco publicou a sua Mensagem para o LV Dia Mundial das Comunicações Sociais. Como sempre nas proximidades do dia 24 de janeiro, memória litúrgica de S. Francisco de Sales, padroeiro da imprensa católica.

O Santo Padre dá como título à sua mensagem aos media: “Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são”. É o encontro aquilo que mais marca o desafio lançado pelo Papa aos jornalistas. Serem capazes de assumir a frase do Evangelho de João: “Vem e verás”, tal como “a fé cristã se comunicou a partir dos primeiros encontros nas margens do rio Jordão e do lago da Galileia” – escreve o Papa.

Ir ao encontro com a coragem dos jornalistas

Para o Papa Francisco existe uma “crise editorial” que “corre o risco de levar a uma informação construída nas redações, diante do computador, nos terminais das agências, nas redes sociais, sem nunca sair à rua”. Desta forma, é importante os jornalistas estarem abertos ao encontro procurando verificar “com os próprios olhos”. “Se não nos abrimos ao encontro, permanecemos espectadores externos” – escreve o Papa na sua Mensagem.

“O próprio jornalismo, como exposição da realidade, requer a capacidade de ir aonde mais ninguém vai: mover-se com desejo de ver” – lembra Francisco enaltecendo a coragem de muitos jornalistas que se esforçam por narrar a realidade, mesmo que tenham que correr riscos:

“Temos que agradecer a coragem e determinação de tantos profissionais (jornalistas, operadores de câmara, editores, cineastas que trabalham muitas vezes sob grandes riscos), se hoje conhecemos, por exemplo, a difícil condição das minorias perseguidas em várias partes do mundo, se muitos abusos e injustiças contra os pobres e contra a criação foram denunciados, se muitas guerras esquecidas foram noticiadas” – frisa Francisco.

Para o Papa “seria uma perda não só para a informação, mas também para toda a sociedade e para a democracia, se faltassem estas vozes: um empobrecimento para a nossa humanidade” – salienta.

Atenção mediática aos mais pobres

O Santo Padre na sua Mensagem refere-se, em particular, ao tempo de pandemia que estamos a viver, sublinhando que “há o risco de narrar a pandemia ou qualquer outra crise só com os olhos do mundo mais rico”. Ou seja, o risco de que a atenção mediática possa ser regida pelos interesses dos mais ricos e poderosos. E o Papa exemplifica:

“Por exemplo, na questão das vacinas e dos cuidados médicos em geral, pensemos no risco de exclusão que correm as pessoas mais indigentes. Quem nos contará a expectativa de cura nas aldeias mais pobres da Ásia, América Latina e África? Deste modo as diferenças sociais e econômicas a nível planetário correm o risco de marcar a ordem da distribuição das vacinas anti-Covid, com os pobres sempre em último lugar; e o direito à saúde para todos, afirmado em linha de princípio, acaba esvaziado da sua valência real” – diz o Papa não esquecendo quem sofre “no mundo dos mais afortunados”, sobretudo “o drama social das famílias decaídas rapidamente na pobreza” e que “fazem a fila à porta dos centros da Cáritas”.

Na web oportunidades e perigos

O Papa refere que a web “pode multiplicar a capacidade de relato e partilha” apontando que com a internet há “muitos mais olhos abertos sobre o mundo”.

“A tecnologia digital dá-nos a possibilidade duma informação em primeira mão e rápida, por vezes muito útil; pensemos nas emergências em que as primeiras notícias e mesmo as primeiras informações de serviço às populações viajam precisamente na web. É um instrumento formidável, que nos responsabiliza a todos” – assinala Francisco.

O Santo Padre lembra que “potencialmente, todos podemos tornar-nos testemunhas de acontecimentos que de contrário seriam negligenciados pelos meios de comunicação tradicionais”. Ressalta que “graças à rede, temos a possibilidade de contar o que vemos, o que acontece diante dos nossos olhos, de partilhar testemunhos”.

Mas, existem também perigos e riscos como o de uma “comunicação social não verificável”. As imagens podem ser manipuláveis sendo necessária “uma maior capacidade de discernimento” e “um sentido de responsabilidade mais maduro, seja quando se difundem seja quando se recebem conteúdos”.

“Todos somos responsáveis pela comunicação que fazemos, pelas informações que damos, pelo controlo que podemos conjuntamente exercer sobre as notícias falsas, desmascarando-as. Todos estamos chamados a ser testemunhas da verdade” – escreve Francisco.

Nada substitui o ver pessoalmente

Na sua Mensagem dedicada aos media, o Papa salienta que “algumas coisas só se podem aprender, experimentando-as”. “O intenso fascínio de Jesus sobre quem O encontrava dependia da verdade da sua pregação, mas a eficácia daquilo que dizia era inseparável do seu olhar, das suas atitudes e até dos seus silêncios. Os discípulos não só ouviam as suas palavras, mas viam-No falar” – escreve o Papa.

O Santo Padre denuncia a “quantidade de eloquência vazia que abunda no nosso tempo” e lança o desafio de que os comunicadores cristãos usem o método utilizado na difusão da “boa nova do Evangelho” através de “encontros pessoa a pessoa, coração a coração: homens e mulheres que aceitaram o mesmo convite – «vem e verás”.

“Todos os instrumentos são importantes, e aquele grande comunicador que se chamava Paulo de Tarso ter-se-ia certamente servido do e-mail e das mensagens eletrônicas; mas foram a sua fé, esperança e caridade que impressionaram os contemporâneos que o ouviram pregar e tiveram a sorte de passar algum tempo com ele, de o ver durante uma assembleia ou numa conversa pessoal” – escreve o Papa lembrando S. Paulo.

O Papa Francisco conclui a sua mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais neste ano de 2021 com uma oração:

Senhor, ensinai-nos a sair de nós mesmos, e partir à procura da verdade.

Ensinai-nos a ir e ver, ensinai-nos a ouvir, a não cultivar preconceitos, a não tirar conclusões precipitadas.

Ensinai-nos a ir aonde não vai ninguém, a reservar tempo para compreender, a prestar atenção ao essencial, a não nos distrairmos com o supérfluo, a distinguir entre a aparência enganadora e a verdade.

Concedei-nos a graça de reconhecer as vossas moradas no mundo e a honestidade de contar o que vimos.

O Dia Mundial das Comunicações Sociais foi estabelecido pelo Concílio Vaticano II através do decreto “Inter Mirifica” em 1963 e assinala-se no domingo antes do Pentecostes. Este ano será no dia 16 de maio.

Laudetur Iesus Christus

Fonte: Vatican News, 25/01/2021 (Rui Saraiva – Porto).

 

CLIQUE E LEIA A MENSAGEM NA ÍNTEGRA – Fonte: vatican.va

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
Por que um Ano de São José?

Depois de Maria, São José é o Santo a quem os papas mais se dedicaram em seus escritos. Ao recordar os 150 anos da proclamação de São José como “Patrono da Igreja”, pelo Papa Pio IX, o Papa Francisco instituiu o “Ano de São José” e traz para o centro das reflexões e orações da Igreja o único homem que amou Jesus “com coração de pai”.

O anúncio deste ano celebrativo foi feito pelo Pontífice em 8 de dezembro de 2020, Solenidade da Imaculada Conceição de Maria. A comemoração vai até a mesma data de 2021 e será feita com ampla concessão de indulgências (veja abaixo).

O próprio Francisco explicou, em carta pastoral, sua motivação: “Como diz Jesus, gostaria que a boca expressasse o que transborda no coração, para compartilhar com vocês algumas reflexões pessoais sobre essa extraordinária figura, tão próxima à condição humana e a cada um de nós”, conta o Papa, grande devoto de São José.

Os meses de isolamento da pandemia fizeram com que o Papa sentisse ainda mais forte a necessidade de destacar uma figura silenciosa, “um homem que passa inobservado”, mas que, na verdade, é “um intercessor, um suporte, um guia”.

‘Patris corde’

O título da carta é Patris corde (“Com coração de pai”). Ela recorda que São José é figura muito importante, especialmente nos Evangelhos escritos por São Mateus e São Lucas. Em todos, porém, Jesus é chamado de “filho de José”, o carpinteiro, o esposo de Maria, um “homem justo”. José era, literalmente, um sonhador: por meio de seus sonhos, Deus se comunicava com ele.

José viu o nascimento de Jesus, levou-o ao Egito para protegê-lo da perseguição do rei Herodes, e o acompanhou durante sua infância, ensinando-lhe uma profissão. Doou-se integralmente à família, como dizia São Paulo VI, transformando o “amor doméstico no serviço” ao Filho de Deus.

A teologia católica ensina que, tendo sido Jesus concebido do Espírito Santo, José é seu pai adotivo. Assumiu a “paternidade legal” e o chamou “Jesus”, como lhe havia indicado o anjo. Por meio de José, Jesus se torna descendente direto do rei Davi, conforme as escrituras.

Aparentemente um santo “de segunda linha”, comenta o Papa, São José assume no relato bíblico “um protagonismo sem igual”. Francisco explica que “José nos ensina que ter fé em Deus compreende crer que Ele pode operar por meio dos nossos medos, das nossas fragilidades, das nossas fraquezas”.

Nas tempestades da vida, escreve o Papa, “não devemos temer entregar a Deus o timão do nosso barco. Às vezes, queremos controlar tudo, mas Ele sempre tem um olhar maior”.

Os sonhos de José

Francisco, que difundiu na Igreja a imagem de São José dormindo – embaixo da qual deposita papeizinhos com pedidos –, também medita sobre os sonhos do Santo.

No primeiro deles, José recebe do anjo o aviso de que não deve rejeitar Maria, que estava grávida antes do casamento. Ele não pretendia acusá-la publicamente, mas a repudiaria em segredo. “Com obediência, ele superou o seu drama e salvou Maria”, comenta o Papa, aceitando-a sem colocar nenhuma condição prévia. Acreditou plenamente no seu Senhor.

Já no segundo sonho, o anjo manda José fugir com Maria e Jesus para o Egito, pois o rei Herodes buscava assassinar o Menino, a quem temia ser uma ameaça ao seu poder. “José não hesitou em obedecer, sem fazer perguntas sobre as dificuldades que encontraria”, observa o Papa.

No terceiro, o anjo avisa José sobre o momento certo de voltar a Israel. E, no quarto sonho, dá indicação de irem para a Galileia, quando foram viver em Nazaré. Assim como Maria, diz o Papa, São José acolhe com plena confiança a vontade de Deus. “Na escola de José, Jesus aprendeu a fazer a vontade do Pai”, inclusive em sua “morte de Cruz”, associa.

Patrono da Igreja

Em 1870, quando o Papa Pio IX declarou São José “Patrono da Igreja”, o decreto Quemadmodum Deus (“Como Deus”) lembra que José “não só viu o Filho de Deus”, como muitos dos profetas desejaram ver, mas “conversou com Ele, abraçou-o com afeto paternal e o beijou”, permitindo a Jesus chegar ainda hoje até os fiéis, por meio da Eucaristia.

“José é o verdadeiro milagre com que Deus salva o Menino e sua mãe. O céu intervém, confiando-se à coragem criativa desse homem, que, chegando a Belém e não encontrando alojamento onde Maria pudesse dar à luz, arranja um estábulo e o reorganiza, para que se torne um lugar acolhedor para o Filho de Deus que vem ao mundo”, reflete o Santo Padre.

“A fé que nos ensinou Cristo é a fé que vemos em São José”, afirma o Papa Francisco. O Papa Bento XV recomendou a dedicação de exercícios espirituais voltados a São José, em 1920. O Papa Pio XII o apresentou como “padroeiro dos trabalhadores”, algo já marcado pelo Papa Leão XIII. E São João Paulo II, como “Guardião do Redentor”. Como recorda o Papa Francisco, a devoção popular aclama José, ainda, como “padroeiro da boa morte”.

“Deus confia neste homem”, afirma Francisco, e quer que nos dirijamos a ele, pois “a Igreja é a extensão do Corpo de Cristo na história”.

José acompanha a Igreja com o mesmo estilo protetor, assim como a maternidade de Maria se reflete na Igreja ainda hoje. “A lógica de José não é a lógica do sacrifício de si, mas do dom de si”, diz o Pontífice. “Jesus e Maria, sua Mãe, são os tesouros mais preciosos de nossa fé”, graças ao Santo que amou Jesus como pai, São José, ensina o Papa.

Por que um Ano de São José?

Fonte: https://osaopaulo.org.br/

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
Sem título

O mês de setembro tornou-se referência para o estudo e a contemplação da Palavra de Deus, tornando-se em todo o Brasil, desde 1971, o Mês da Bíblia. Desde o Concílio Vaticano II, convocado em dezembro de 1961, pelo papa João XXIII, a Bíblia ocupou espaço privilegiado na família, nos círculos bíblicos, na catequese, nos grupos de reflexão, nas comunidades eclesiais.

“Já são quase 50 anos que temos essa tradição de dedicar um mês para o estudo mais aprofundado da Palavra de Deus, então é extremamente importante que as comunidades se deixem reunir e experimentar a Palavra de Deus. A Bíblia é para nós a Palavra de Deus revelada, a forma que Ele dialoga continuamente conosco na história”, afirma irmã Izabel Patuzzo, assessora da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB.

Este ano, 2020, a Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia, em sintonia com a Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundamentando-se no livro do Deuteronômio, com o lema “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11). É um livro rico em reflexões morais e éticas, com leis para regular as relações com Deus e com o próximo. Destaca-se no Deuteronômio a preocupação de promover a justiça, a solidariedade com os pobres, o órfão, a viúva e o estrangeiro. São leis humanitárias encontradas também no Código da Aliança (Ex 20-23).

E o Texto-Base para o Mês da Bíblia deste ano, segundo o arcebispo de Curitiba, dom José Antônio Peruzzo, quer oferecer ao leitor atual a experiência de fé daqueles que primeiramente acederam ao que Deus queria revelar de si mesmo. “Seus autores querem aproximar os leitores de hoje dos protagonistas de ontem. É como se os de outrora e os de agora se reunissem para conversar sobre aquele Deus que se revelou, que se deixou conhecer”, afirma o presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Elaborado por um grupo de professores especializados, o texto-base do Mês da Bíblia foi publicado recentemente pela Editora da CNBB, a Edições CNBB. É um instrumento para que as comunidades possam estudar e interpretar o livro e possam atualizar a Palavra de Deus para o contexto vivido. “Gostaria de convidar, motivar as lideranças para que estudem o texto-base, tenham contato com o texto para que em setembro possa-se realizar melhor os encontros bíblicos”, exorta padre Jânison de Sá, assessor da Comissão para a Animação Bíblico Catequética da CNBB.

O texto-base, além de apresentar o contexto e os objetivos do livro, traz informações sobre as características itinerárias e vocabulário, além de sua importância teológica. “É um livro extramente importante porque ele se apresenta como uma orientação para a comunidade israelita e também para nós. Teve uma grande influência no Antigo Testamento. Foi reelaborado, atualizado por várias vezes por ser extremamente importante”, explica irmã Izabel Patuzzo, assessora da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB.

Encontros Bíblicos

Além do texto-base, há o subsídio para os encontros bíblicos. Neste ano, foram preparados cinco encontros na metodologia da Leitura Orante, que garante uma pedagogia interativa e mistagógica. Ao final, há ainda sugestões de cantos que podem ser utilizados nos diversos momentos. “Que cada família possa adquirir o seu livreto dos encontros para fazê-los em casa, pois são muito importantes para que as famílias possam continuar-se alimentando da palavra de Deus e neste ano conhecendo melhor o livro do Deuteronômio, que é um livro importante do Antigo Testamento”, afirma padre Jânison.

 

 

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Bento XVI é o mais ancião da história do Pontificado

Apesar de sua avançada idade, o pontificado de Bento XVI foi relativamente curto, de 2005 a 2013, tendo sido eleito quando tinha 78 anos.

Cidade do Vaticano (02/09/2020 09:00, Gaudium Press) Nascido no dia 16 de abril de 1927, em Marktl am Inn, Baviera, na Alemanha, o Papa Emérito Bento XVI é o pontífice romano que alcançou a idade mais avançada em toda a história com 34.108 dias de vida até o momento.

Bento XVI ultrapassa Leão XIII em idade

Anteriormente, o Papa que havia alcançado a idade mais avançada era Leão XIII. Nascido no dia 02 de março de 1810, o Papa Pecci faleceu no dia 20 de julho de 1903, aos 93 anos de idade.

Apesar de sua avançada idade, o pontificado de Bento XVI foi relativamente curto, de 2005 a 2013, tendo sido eleito quando tinha 78 anos.

O Pontificado mais longo da história e o mais curto

O Pontificado mais longo da história foi o de Pio IX, com 31 anos, sete meses e 22 dias. Em seguida está o de São João Paulo II, com 26 anos, cinco meses e 18 dias. O terceiro pontificado mais duradouro é o de Leão XIII, com 25 anos de pontificado. O Pontificado mais curto corresponde a Urbano VII, que governou a Igreja por treze dias no ano de 1590. (EPC)